O que você precisa saber sobre a validação de ideias

Quando você tem uma ideia de negócio ou de um novo produto que acredita que vai resolver o problema de muitas pessoas, você leva em consideração o que essas pessoas precisam ou apenas segue a sua intuição? Um dos termos que você mais vai ouvir quando se fala de empreendedorismo é a validação de ideias.

Todo mundo que já se aventurou por esse mundo já ouviu falar sobre a necessidade de validar a ideia. Mas afinal, o que é mesmo a validação de uma ideia? Por que este processo é tão importante quando pensamos em um novo produto ou serviço? E só startups devem validar suas ideias?

O Que é a Validação de ideias?

Segundo Steve Blank, responsável pela criação do modelo, validar uma ideia é o ato de simplesmente ir a rua, encontrar as pessoas que você considera que se tornarão clientes da sua ideia de negócio, para comprovar, através de perguntas e utilizando algumas ferramentas, se aquilo que está sendo idealizado como produto/serviço realmente atende a uma necessidade dessas pessoas.

Por Que Devo Validar Uma Ideia?

Entender a necessidade de um mercado, antes de tentar atendê-lo, é muito importante para que sua estratégia alcance o sucesso, não é? E é por isso que essa etapa é tão essencial para o desenvolvimento do seu negócio.

É durante a validação que você consegue comprovar que sua ideia não é apenas uma ideia, que existe uma necessidade real de mercado a ser suprida e, assim, uma oportunidade de supri-la – e você está disposto a fazer o trabalho.

Além disso, a validação ajuda a identificar como melhorar e adaptar sua solução para a demanda do público e assim, ajuda a minimizar os custos com a criação solução daquela demanda.

Aqui, vale pontuar que, apesar de tão essencial, muitas vezes a validação é deixada de lado por empreendedores que acreditam que devem guardar suas ideias “a sete chaves” até seu lançamento, caso contrário, ela pode ser “roubada” no momento de validar.

Também há empreendedores que ficam tão apaixonados por sua ideia e acreditam tanto nela, que acabam tendo medo do “erro”, de perceber que estavam equivocados em relação ao que desenvolveram e que, na verdade, não há demanda para tal ideia.

Porém, as duas situações não fazem sentido, uma vez que, no momento em que você vai de encontro às pessoas que são os potenciais compradores da sua solução, você não precisa (e na verdade não deve) falar da sua solução e de como exatamente ela vai funcionar. Isso porque, nesse momento, você ainda não sabe muito bem como ela vai funcionar.

E também, porque, essa etapa deve ser voltada para a validação da dor daquele mercado, e não da solução em si. Faz sentido? Não? Vou te explicar.

Pensa comigo: nesse momento, em que ainda estamos na ideação, você não deve focar em como será o produto propriamente dito – até porque após a validação da ideia, ainda há a produção de um MVP para testar isso (falo sobre isso mais tarde).

O foco aqui deve ser em absorver informações relevantes, vindas da sua persona, que te darão insumos para saber se ela realmente tem uma demanda, qual é essa demanda, e se e quanto ela pagaria por isso, para então formular uma proposta de solução.

Dito isso, podemos afirmar que a validação de ideias é a definição do problema que você vai resolver e NÃO da solução.

A outra razão pela qual muitos empreendedores não passam por essa etapa com a atenção devida é o medo de descobrir que, na verdade, aquela ideia não tem tanto mercado assim e, por isso, o melhor a se fazer é descartá-la ou reformulá-la.

Porém, o que se deve pensar é que a validação é o melhor momento para que essa descoberta aconteça. Como estamos nos estágios iniciais do negócio, sabendo que seu público não demanda a solução que você está propondo, é aqui o momento de parar, pensar e reformular a ideia, ou até mesmo, deixá-la de lado.

Caso você pule esta etapa e só perceba isso mais à frente, o processo de reformulação será muito mais oneroso e desgastante.

Validar é fazer com que tenhamos certeza de que estamos no caminho certo. E quem não quer ter essa certeza, não é mesmo?

Validação serve só para Startups?

Errado!

Outro ponto muito importante é que a validação de uma ideia não deve ser adotada apenas por aspirantes a empreendedores e startupeiros, que estão começando um negócio do zero.

A validação também é de extrema importância para as novas ideias e inovações que surgem dentro de empresas já estabelecidas e tradicionais.

O simples fato de você já ter um relacionamento com seu cliente, para quem você já vende e, por isso, já conhece bem (e, em alguns casos, estar presente no mercado há anos, não quer dizer conhecer bem seu cliente) não dá garantias de que um novo produto que a sua empresa está desenvolvendo vai ter a mesma aderência.

Empresas tradicionais devem validar seus novos produtos também, para que não haja um investimento alto no desenvolvimento e lançamento de um produto que não será consumido.

Como Faço Para Validar a Minha Ideia?

Certifique-se qual dor existe.

Sei que já falei sobre isso mas vale muito relembrar. Você pode começar fazendo uma busca detalhada na internet pela sua ideia, analisando o que já existe de oferta em relação a ela.

E, caso descubra que há um produto ou serviço que se pareça com o que você tem em mente, não é motivo para desistir. Encontre pontos melhoria e faça deles o seu diferencial.

Saiba escutar o mercado e o cliente. Você não é o seu cliente (Pois é!). Então, não sabe realmente o que ele pensa, se tem aquela dor, se algo o “incomoda” e se ele precisa de uma solução que esteja disposto a pagar por ela. Você tem só opiniões sobre ele, criadas a partir da sua visão sobre a sua ideia – e, me desculpe, mas sua opinião não soluciona a dor do seu mercado.

Por isso, agrupe tudo aquilo que você pensa sobre o seu cliente e faça perguntas a ele para verificar se são verdades ou não. E mas uma vez, está tudo bem se não forem. Perguntar  e conhecer a visão do seu potencial cliente é o jeito mais objetivo de saber se sua ideia será bem sucedida.

Escute também aos profissionais que já estão no mercado, vá atrás de referências na área. Eles terão uma visão de negócio que vai complementar a visão de sobre o produto que seus potenciais clientes vão te oferecer.

Explore a concorrência. Conhecendo o seu mercado, a partir das pesquisas que você deve realizar, será possível que você descubra se existem concorrentes, quem e quais são eles.

Será ótimo se você não identificar nenhuma solução que pode competir com a sua, mas, se isso acontecer, como já disse ali em cima, foque em analisar o que pode ser melhorado em relação ao que já existe – leia as revisões sobre o produto/serviço, sobre o atendimento e experiência do usuário, tecnologia utilizada.

Entenda o valor que quer entregar com a sua solução. Não estou falando de preço ou formas de adquirir o seu produto – venda única ou recorrente, por exemplo – mas sim de refletir: sua solução realmente ajuda as pessoas? Faz diferença na vida delas?

Se interesse pela sua ideia além do lucro que ela possa vir a te oferecer. Lucrar com sua solução é ótimo, não é? Mas melhor do que isso é se interessar por essa solução, gostar do que você entrega aos seus clientes e querer sempre melhorar essa experiência. O lucro vem em consequência disso tudo.

O que Fazer Após Validar Sua Ideia?

Você pesquisou, perguntou aos clientes, às referências do mercado, recolheu muitas informações e insights sobre a sua ideia. E agora?

O próximo passo é saber aplicar todo conhecimento adquirido na fase de validação, construir uma solução e testar se ela é a que vai resolver os problemas das pessoas.

O ideal aqui é que essa solução sirva como teste e seja feita com o mínimo de funcionalidades, que seja simples, apenas explorando o objetivo principal do seu produto, para que pessoas possam usá-la e validar se ela atende a necessidade validada anteriormente.

Este “teste” é chamado de MVP – Produto Minimamente Viável, ou originalmente, Minimum Viable Product – conceito ligado diretamente ao modelo de Lean Startup, difundido por Eric Ries, em que ele explica como desenvolver estratégias que permitem que, em cada etapa do desenvolvimento de um negócio, testes de validação sejam feitos, possibilitando ações rápidas e assim, diminuição de riscos e incertezas.

O MVP é, então, a elaboração de um protótipo do seu produto/serviço, que vai apresentar a função principal dele, mesmo que com funcionalidades ainda bem básicas. O que é importante aqui, é que o público consiga compreender o que será esse produto/serviço e possa dar um feedback sobre ele, testando se soluciona ou não o problema proposto.

A validação do produto é tão importante quanto a validação da ideia. É uma etapa que permite que você visualize o caminho que deve trilhar e se organizar em relação ao lançamento da sua solução e o que precisa para que isso aconteça.

NÃO ACABA POR AÍ

Você passou pelas etapas de validação da ideia e validação do produto? Parabéns! Ambos os passos são de extrema importância para que um negócio seja bem sucedido. Mas antes de um negócio ser bem sucedido, é preciso estruturar o modelo desse negócio e validá-lo também.

De novo a validação? Sim, de novo.

O modelo de negócios é a fórmula que você vai estruturar para que seu seu negócio funcione como empresa.

Nele, serão definidos: a Proposta de Valor, Segmento de Clientes que serão atendidos, os Canais de Distribuição do seu produto/serviço, como será feito o Relacionamento com os Clientes, como funcionará o Fluxo de Receita e qual será a Estrutura de Custos. Ainda, quais serão os Recursos, Atividades e Parceiros que seu negócio utilizará.

Todas essas etapas podem ser melhor transcritas e visualizadas em um modelo de Business Model Canvas. A Friendslab disponibiliza um Canvas Interativo gratuito, que ajuda bastante nessa estruturação, aqui nesse link.

Elaborado o Canvas, é hora de apresentá-lo ao mercado e certificar-se do que funciona e do que deve ser melhorado para alcançar o sucesso. Lembre-se: esteja disposto a deixar de lado premissas iniciais e buscar formas de otimizá-las.

Para concluir, depois de explorarmos bastante o tema da validação, tenho uma notícia para você: a validação NUNCA termina.

É preciso estar aberto a testes e feedbacks constantemente para que que seus resultados continuem sempre melhorando e para que sua solução continue a fazer a diferença na vida de seus clientes.

E aí, tem uma ideia boa demais para ficar só no papel? Se sim, bora validar?

Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *