O que é economia criativa?

É certo que a criatividade gera valor econômico. Em um mercado competitivo e globalizado, os negócios de maneira geral devem buscar pela criação, inovação e desenvolvimento de soluções que realmente façam diferença na experiência do consumidor.

Mas é importante entender o verdadeiro o conceito de economia criativa, pois apesar de todas as atividades inovarem e serem criativas de alguma forma, são consideradas indústrias criativas somente as que têm a criatividade como matéria-prima.

Assim, economia criativa diz respeito ao setor econômico composto pelas indústrias e empresas criativas. É o uso da criatividade nas habilidades dos profissionais, que lidam com a construção e a distribuição de produtos ou serviços.

A economia criativa acontece nas áreas de comunicação, audiovisual, entretenimento, música, gastronomia, arquitetura, moda, design, pesquisa e desenvolvimento tecnológicos. Então, para entender como a economia criativa pode ajudar na permanência da empresa no mercado, bem como assegurar a qualidade e a longevidade do negócio, acompanhe o nosso conteúdo.

Panorama da economia criativa no Brasil

A economia criativa vem crescendo acima da média no Brasil. Entre os países emergentes, o Brasil é considerado um dos maiores mercados para a economia criativa. De acordo com um estudo da consultoria PricewaterhouseCoopers (PwC), a expectativa de crescimento da economia criativa no país é de 4,6% até 2021, acima da média mundial, que deve ser de 4,2%.  

Segundo a pesquisa, a economia criativa envolve os setores de mídia e entretenimento, considerando as atividades mais tradicionais, como TV, música e cinema, até as mais modernas ligadas à internet, como publicidade online, jogos eletrônicos, dentre outras.

Pode-se dizer que a economia criativa é um negócio bilionário. No ano de 2015, segundo a Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan), foi gerada uma riqueza de R$ 155,6 bilhões pelas indústrias criativas do país, o que representa um salto na participação no Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro de 2,56% para 2,64%, de 2013 para 2015.

No Brasil, especialmente em momentos de instabilidade econômica, a criatividade tem um papel bastante estratégico. Isso porque a indústria criativa tende a ser decisiva para que profissionais e empresas inovem em processos, recursos, ideias e ferramentas no sentido de modificar modelos de negócios, que não estejam dando certo e até mesmo criar outros disruptivos.

Vale destacar que assim como empreender, ter ideias novas e criativas é também um desafio. Dessa forma, o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) investiu até 2018, R$ 65 milhões, em 104 projetos de economia criativa, com o objetivo de aumentar a capacitação de gestão nos segmentos.

Setores envolvidos

Pode-se dizer que a economia criativa é dividida em 4 setores da indústria. São eles: o patrimônio ou a herança cultural, o campo das artes, de mídia e de criações visuais ou funcionais. Para entender melhor como ela funciona em cada uma dessas categorias, continue acompanhando com ela se desenvolve nos respectivos setores.

Herança cultural ou patrimônio

A economia criativa no sentido patrimonial diz respeito às formas de arte e expressões culturais mais tradicionais. Assim a economia criativa pode ser aplicada em museus, livrarias, exposições fotográficas e artísticas, sítios arqueológicos, festas e celebrações.

Artes

A classificação das artes como economia criativa está diretamente relacionada ao patrimônio, mas além disso envolve também valores de identificação e significação simbólica. A economia criativa nas artes envolve trabalhos visuais, dramáticos, de performance, dentre outras expressões artísticas como danças, pinturas, esculturas, teatro, música, circo, fotografia, entre outras.  

Mídia

A economia criativa está presente também no segmento midiático, que abarca a produção de conteúdo em mídias impressas e audiovisuais. O objetivo com esses conteúdos é criar um canal de comunicação com a sociedade, seja por sites, impressos — jornais e revistas —, livros, televisão ou rádio.

Criações funcionais

Já o setor de criações visuais está diretamente relacionado às indústrias que desenvolvem produtos ou serviços a partir do surgimento de alguma demanda específica. São indústrias de criações funcionais: arquitetura, design de interiores, de jóias, de brinquedos, moda, artesanato, publicidade, dentre outras áreas de desenvolvimento e pesquisa.

Profissionais da indústria criativa

A maioria dos profissionais da indústria criativa é da área de comunicação. Normalmente, são profissionais que trabalham com produção intelectual, ou seja, com novas ideias para atender as demandas do mercado.

Vale destacar ainda que todos os profissionais que fazem parte da indústria criativa estão envolvidos com a possibilidade de empreender, desenvolver novos processos e aplicar novos conceitos em produtos, serviços e nas empresas.

Portanto, a economia criativa deve ser ainda encarada como uma possibilidade de ascensão profissional para os que trabalham diretamente com a criação de novas alternativas, podendo se tornar autoridade nos assuntos e referência para todo o mercado.

É importante ressaltar ainda que em cenários de instabilidade econômica, como o que o Brasil se viu inserido, ter profissionais criativos nas empresas faz com que eles encarem os desafios e ainda mantenham o crescimento. A economia criativa traz impactos positivos para o mercado e apresenta novas maneiras de visualizar soluções inovadoras para os negócios.

Assim, para que a economia criativa possa gerar cada vez mais resultados positivos, é preciso motivar os profissionais a investir em soluções criativas em seus processos e produtos. Daí a importância de investir na economia criativa, para render projetos sustentáveis, inovadores e estratégicos para o seu mercado de atuação.

E então? O que achou sobre o nosso conteúdo de economia criativa? Você já sabia sobre o potencial dessa atividade? Conta para a gente nos comentários!

Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *