Capital de giro: a importância para seu negócio

Muitas empresas observam o sonho de manter as portas abertas se tornar impossível antes mesmo do primeiro ano de existência, a má administração aliada a desconhecimento de seus empreendedores pode levar estas a um fim breve. O planejamento financeiro e a organização de suas finanças é essencial para que seu empreendimento não enfrente um déficit.

Você sabe o que é capital de giro? Ele possui grande importância, para que, seu negócio possa funcionar corretamente e evitar que o caixa feche no vermelho, ou até mesmo que a empresa encerre suas atividades.

Se você está prestes a iniciar seus negócios ou quer saber mais sobre como manter a saúde financeira de sua empresa, este texto é para você. Hoje falaremos do chamado capital de giro e sua importância para seus negócios, bem como daremos dicas que poderão influenciar no sucesso de seu negócio. Confira!

O que é capital de giro?

O capital de giro, também conhecido como ativo circulante, diz respeito ao total de recursos necessários, para que uma empresa desempenhe suas atividades diárias. Em suma, os recursos que a permitem “girar”. Este representa os bens que a empresa possui e que podem ser convertidos em capital em um curto período de tempo, como por exemplo: as contas a receber, o saldo na conta corrente, mercadorias e aplicações financeiras e até mesmo o dinheiro em caixa.

Considere o capital de giro como o montante que a empresa possui disponível e o dinheiro que possui para quitar suas dívidas, sejam ela de despesa fixa, gastos necessários para comercialização e prestação de serviços ou até mesmo gastos extras que podem surgir ao longo de um período.

O capital de giro tem relação direta com seu negócio

O capital de giro representa 50% dos ativos de uma empresa, mesmo que não intencionalmente um capital de giro mal administrado pode ter impactos diretos para seu negócio, uma vez que:

· Empresas necessitam revitalizar seus estoques de tempos em tempos;

·  O estoque é abastecido em função das necessidades do mercado consumidor e os valores para seu abastecimento necessitam de diferentes investimentos de tempo em tempo;

· Quanto maiores as necessidades para revitalização dos estoques maior será a necessidade da empresas possuir capital de giro, de forma a arcar com eventuais gastos;

Pense agora nos prazos oferecidos a seus clientes, parcelas concedidas para compras à prazo impactam diretamente em seu faturamento, de forma que, só poderão ser contabilizados em seus lucros após o pagamento de todas as parcelas.

Antes mesmo de conceder opções de compra a seus clientes, deve-se avaliar os recursos financeiros da empresa. Uma vez que, se o recurso não existe o empreendedor deverá arcar  com contas futuras e muitas vezes recorre a empréstimos que acarretam em juros e diminuem a margem de lucro do negócio.

Fique atento a fatores que levam ao aumento da necessidade por um capital de giro:

1. Redução das vendas;

2. Aumento da inadimplência;

3. Aumento de despesas financeiras;

4. Aumento de Custos;

5. Cálculo do capital de giro

Por que controlar esse recurso?

Uma empresa com bom controle de suas finanças e uma boa noção de seu capital de giro, tem maior capacidade de comprar e com isso conhecer os prazos que poderá assumir, bem como saberá como manter as contas em dia e com isso manter o caixa positivo.

O capital de giro também ajudará a manter as contas do ativo e as contas do passivo em equilíbrio e a suprir as necessidades de realização das atividades operacionais. Um bom capital de giro permite a criação de riquezas para a empresa em longo prazo.

O que acarreta um mau controle do capital de giro?

Um capital de giro mal administrado, não será suficiente para abarcar os riscos operacionais quando estes surgirem, o que deixa a empresa suscetível a um caixa negativo, o que pode comprometer o funcionamento correto das atividades. A inadimplência pode ser um dos resultados do mal controle do capital de giro!

Como calcular o capital de giro?

Antes de definir seu capital de giro, tenha na ponta do lápis todos os seus recursos e dívidas, visto que as contas do caixa e do banco representam os recursos mais importantes, visto que estão concentrados e disponíveis de forma mais imediata.

As contas a receber também entrar no cálculo do capital de giro e são resultados de compras a longo prazo. Quanto maiores as condições oferecidas ao cliente, maiores os recursos a empresa precisará arcar com as contas a receber por conta própria.

Leve em consideração também o valor investido em estoque, uma vez que este demanda altos volumes financeiros.

A fórmula utilizada para o cálculo do capital de giro, pode ser adotada em qualquer negócio, sendo ela: CGL = AC – PC

No qual: CGL refere-se ao capital de giro líquido e a todos os recursos, em maior ou menor grau, que devem ser controlados de forma a evitar prejuízos;

AC: Refere-se aos ativos circulantes (caixa, bancos, contas a receber, etc)

PC: Refere-se aos fatos do passivo circulante (contas a pagar, empréstimos, fornecedores, etc).

Um capital de giro negativo, não deve ser visto de forma alarmante, uma vez que este representa uma boa administração de seus negócios.

Entretanto, cabe atenção na administração das contas a pagar e das contas que devem ser recebidas.

Como utilizar o capital de giro?

Agora que você compreendeu a importância do capital de giro, deve estar se perguntando como utilizá-lo.

Antes de mais nada tenha em mente, que o cálculo referente ao capital de giro deve ser realizado com certa periodicidade, de forma que a necessidade de uso em um mês pode não ser parecida com a do mês anterior.

Quando for detectada a necessidade da utilização do capital de giro deve-se organizar novamente às finanças de forma a não necessitar de empréstimos ou fontes de renda externa, que podem comprometer seus negócios.

Confira agora, algumas dicas para controlar seu capital de giro:

1.     Torne seus processos mais produtivos: Fazer mais por menos é algo que deve ser buscado por todas as empresas.

Aliar a produtividade à qualidade de vida no trabalho é um dos desafios de uma boa gestão.

2.     Controle inadimplências: A inadimplência pode ser controlada através de duas vias: preventiva e corretiva.

A primeira, busca ações que previnam o problema com pagamentos, como a disponibilização de crédito somente a clientes considerados bom pagadores.

Já a segunda, estabelece que deve-se ter políticas claras de contatar pagadores inadimplentes, negociar com estes e assim reaver valores não pagos.

3.     Conheça seu fluxo de caixa: Talvez o principal passo para um bom controle do capital de giro é a observação do fluxo de caixa, com registro pontual de despesas e receitas, que podem ajudá-lo  solucionar problemas a medidas que estes surjam.

Esperamos que estas dicas possam ajudá-lo a controlar melhor seu capital de giro ou até mesmo começar a administrar um. Ainda tem alguma dúvida? Conta pra gente nos comentários. Até mais!

Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *